• Caio Tramont

Cuidado com as quedas dos idosos no hospital!



A queda ocorre inesperadamente, quando o corpo se choca contra uma superfície de apoio, durante a locomoção, mudanças de posição, tais como: levantar-se e sentar-se, ao mudar de direção e ao subir ou descer escadas.


É a principal causa de lesões não fatais em idosos, sendo que um em dez idosos sofrem lesões graves, tais como fratura do quadril ou traumatismo craniano, que resultam em hospitalização


A queda é o principal acidente envolvendo idosos hospitalizados. Suas repercussões são emocionais e físicas, resultando no medo de novas quedas, ansiedade, perda de autoconfiança, restrições funcionais, incapacidade, dependência, fragilização, aumento da morbidade e dos custos do tratamento. Consequentemente, a queda prorroga a hospitalização por prolongar o tempo necessário para a recuperação e a reabilitação, além de resultar em diversas complicações em longo prazo, incluindo o óbito do idoso.


Após a queda no ambiente hospitalar, o idoso tem maior risco de cair novamente, inclusive, em casa. A queda torna o idoso mais vulnerável a declínios cognitivos e funcionais, infecções e reinternações hospitalares.


A cada 13 segundos, um idoso dará entrada, num serviço de urgência, com lesões decorrentes de uma queda e, a cada 20 minutos, um idoso morrerá na sequência de uma queda.


Toda a equipe multiprofissional atua na redução dos riscos de queda, pela avaliação direta do próprio idoso, bem como na identificação dos fatores ambientais de risco para, em seguida, organizar um ambiente seguro e isento de riscos. O fisioterapeuta contribui com o diagnóstico da alteração funcional que acarreta risco de quedas, prescrição terapêutica e condução de tratamento fisioterapêutico individualizado.


Além disso, nos casos dos idosos hospitalizados devido a quedas, ou com risco de quedas, é recomendada preparação para a alta hospitalar desde a data de internação, estendendo-se ao acompanhamento ambulatorial, através da parceria com o próprio idoso e da articulação com prestadores de cuidados na comunidade. A preparação para a alta consiste na constante orientação dos próprios idosos, e de seus acompanhantes, em relação aos riscos e aos cuidados necessários tanto para a prevenção das quedas quanto para a recuperação e a reabilitação. Tais procederes garantem maior satisfação em relação ao serviço e ao processo terapêutico, bem como maior qualidade de vida aos idosos e seus familiares à medida em que fornecem informações relevantes e benéficas no sentido de reduzir o estresse e a frustração, além de elevar a autoconfiança e a autoeficácia, facilitando no enfrentamento das limitações do paciente idoso no período pós-alta.


Referências

1. Cunha LFCD, Baixinho CL, Henriques MA, Sousa LMM, Dixe MDA. Evaluation of the effectiveness of an intervention in a health team to prevent falls in hospitalized elderly people. Rev Esc Enferm USP. 2021 May 31;55:e03695. English, Portuguese. doi: 10.1590/S1980-220X2019031403695. PMID: 34076150.

2. Najafpour Z, Godarzi Z, Arab M, Yaseri M. Risk Factors for Falls in Hospital In-Patients: A Prospective Nested Case Control Study. Int J Health Policy Manag. 2019 May 1;8(5):300-306. doi: 10.15171/ijhpm.2019.11. PMID: 31204446; PMCID: PMC6571495.

3. Provencher V, D'Amours M, Menear M, Obradovic N, Veillette N, Sirois MJ, Kergoat MJ. Understanding the positive outcomes of discharge planning interventions for older adults hospitalized following a fall: a realist synthesis. BMC Geriatr. 2021 Jan 29;21(1):84. doi: 10.1186/s12877-020-01980-3. PMID: 33514326; PMCID: PMC7844968.

14 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo